ReproduçãoGrabois em um de seus encontros com Francisco: tentativa de extrair dividendos políticos da amizade

O amigo do papa

Juan Grabois, uma espécie de Guilherme Boulos argentino, usa sua amizade com Francisco para se promover e, com alguma frequência, cria embaraços para o Vaticano
11.01.19

Marcada para outubro, a próxima eleição presidencial na Argentina tem tudo para ser um embate entre o atual presidente, Mauricio Macri, e a senadora Cristina Kirchner, que governou o país entre 2007 e 2015. Mas um terceiro elemento pode se somar ao duelo: o papa Francisco. Não ele, pessoalmente, mas o homem que se diz seu representante, porta-voz, enviado, consultor, encarregado, braço direito ou qualquer outro termo usado para tentar abarcar a familiaridade com o pontífice. Com 35 anos e pai de três filhos, o advogado Juan Grabois desenvolveu uma amizade com Francisco, então cardeal Jorge Bergoglio, quando a sociedade argentina ainda sentia os reflexos da crise de 2001. A relação íntima entre os dois tem tudo para ganhar mais visibilidade, à medida que Grabois se dedica mais à política. Em outubro, ele criou o movimento Frente Pátria Grande com a meta de levar a ex-presidente Cristina Kirchner de volta à Casa Rosada este ano.

A melhor forma de apresentar Grabois e suas ideias é recordar o que já aprontou no Brasil. Ele é aquele sujeito que, em meados do ano passado, foi barrado pela Polícia Federal em Curitiba quando tentou encontrar Lula na prisão. Ele queria dar de presente ao brasileiro um terço supostamente abençoado pelo papa Francisco. Não conseguiu e, em carta para Lula, publicada no site do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), lamentou o episódio. No texto, ele aproveitou para se gabar de seu vínculo com o Vaticano. Segundo suas próprias palavras, o papa o honra com sua amizade, apesar de ele não merecê-la. O pontífice conversa com Grabois de maneira frontal e direta, mas ele nunca revela o conteúdo dos encontros, porque é “leal, respeitoso e o admira muito”. Grabois ainda se declara consultor do Pontifício Conselho Justiça e Paz, que passou a fazer parte do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral. Os adornos que para a maioria significam pouco, ele ostenta como medalhas. Grabois se diz, ainda, “o coordenador do encontro mundial dos movimentos sociais em diálogo com o papa Francisco”. O ego foi desperdiçado. Toda a sua prepotência não foi suficiente para que ele passasse pelo funcionário que guardava a carceragem da PF em Curitiba. Com cara triste, Grabois deixou o terço em Curitiba e voltou para Buenos Aires. O Vaticano, indagado se Grabois de fato estava na capital paranaense representando Francisco, preferiu silenciar. Foi um constrangimento só. Até porque, para a Igreja, não era um bom negócio dizer que o papa estava afagando um condenado.

Lula foi sentenciado a doze anos de cadeia e está preso. Apesar de todo empenho do Partido dos Trabalhadores e de seus advogados, ele ficou de fora da eleição presidencial de 2018. Roubou, pagou. Na Argentina, o ciclo ainda não se fechou. Cristina Kirchner responde a sete processos na Justiça por corrupção, lavagem de dinheiro e organização de quadrilha. Seus casos estão na primeira instância e estão sendo conduzidos por seis promotores e cinco juízes diferentes. Mas ela exerce um mandato como senadora e conta com foro privilegiado. Com isso, continua solta. Em agosto do ano passado, Grabois começou a acompanhar Cristina em suas constantes idas e vindas aos tribunais de Buenos Aires para depor. O jovem, curiosamente, apresenta-se como um inimigo ferrenho da corrupção, mas se uniu àquela que é o maior símbolo da ladroagem em seu país. Na sua cabeça cheia de cabelos compridos, Cristina sofre uma perseguição política com o intuito de evitarem que saia candidata. “Juan Grabois era um dirigente social que, com a chegada de Mauricio Macri ao poder em 2015, acabou se radicalizando. Seu objetivo máximo agora é liderar uma frente de apoio à candidatura de Cristina”, diz o cientista político argentino Patricio Giusto, da consultoria Diagnostico Político, sediada em Buenos Aires.

Reprodução/Facebook Juan GraboisReprodução/Facebook Juan GraboisCom Lula, antes da prisão: depois, o argentino tentou visitar o petista em Curitiba, mas não conseguiu
O impacto que Juan Grabois poderá ter na eleição só será conhecido ao longo do ano. É aventada a possibilidade de ele se tornar vice da chapa de Cristina, que tem até o final de julho para definir sua pretensão. Grabois já confessou sonhar com a criação de um Ministério do Desenvolvimento Humano Integral. Ele começou a militar com catadores de papel depois da crise de 2001 e foi um dos responsáveis por uma lei que criou creches para os filhos desses trabalhadores (os cartoneros, em espanhol). É fundador da Confederação de Trabalhadores da Economia Popular (CTEP) e do Movimento dos Trabalhadores Excluídos, que conta com trezentas cooperativas e trezentas oficinas.

Grabois é figura frequente nos bloqueios de avenidas e estradas e invasões de prédios. Em dezembro, após voltar de uma viagem a Roma, ele liderou um protesto da CTEP no edifício de onde se emitem os sinais de dois canais de televisão aberta, o Canal 13 e o Todo Notícias. O portão foi forçado, os arruaceiros entraram na garagem e depois saíram. A justificativa para o ato foi a de que eles queriam a inclusão de dois canais alternativos, Barricada TV e PARES TV, na grade da operadora de cabo Cablevisión. Nada foi por acaso. O protesto por motivos banais funcionou mais como um expediente para importunar os inimigos declarados de Cristina Kirchner. A Cablevisión é uma empresa do grupo Clarín. Ao apoiar os protestos de fazendeiros ainda em 2008, a empresa passou a ser odiada pelo casal Néstor e Cristina Kirchner e sofrer constantes ataques, como dificuldades para entregar o jornal, venda forçada de ações a ameaças de fechamento de sua gráfica. “Em termos de votos, Grabois não conseguiria o mínimo de 1,5% para lançar-se como candidato a presidente”, diz o cientista político Lucas Romero, diretor da consultoria argentina Synopsis. “Mas, com sua legitimidade clerical, ele poderia abrandar a imagem de Cristina e ajudá-la a ganhar votos no centro do espectro político, principalmente entre os setores mais conservadores”. Pois é, abrandar.

Com Grabois, Francisco poderia dar sua cartada decisiva na política argentina. “O papa fala com muitos setores e políticos argentinos, mas seus interlocutores não fazem propaganda disso. Grabois é o mais inteligente em usar essa relação politicamente”, diz o cientista político Sergio Berensztein. Uma atuação política comezinha seria estranha para um pontífice que, em tese, não deve se imiscuir em assuntos mundanos. Só que Francisco é diferente. Como argentino, a política corre nas suas veias. Quando ainda atendia pelo nome de cardeal Bergoglio, o religioso entrou em disputas seguidas com o presidente Néstor Kirchner. Para o político, que morreu em 2010, o cardeal era o principal nome da oposição. A nomeação de Bergoglio para o maior cargo da Igreja Católica levou Cristina a correr para Roma com o intuito de selar uma amizade. A estratégia deu certo e os dois se encontraram quatro vezes. O papa até chegou a se encontrar com Daniel Scioli, o candidato de Cristina, em plena campanha para as eleições de 2015.

O terço que Grabois levou para Lula era daqueles que turistas encontram nas ruas de Roma
Quando Scioli perdeu para Macri, o céu se fechou. Francisco só se reuniu com o atual presidente uma vez, por breves 22 minutos, em 2016. E fez careta o tempo todo. O pontífice viajou para Chile, Brasil, Colômbia, Cuba, México, Equador, Bolívia e Paraguai, mas nada de pisar na Argentina. Também não para de mandar mensagens em código para Macri e para os cidadãos de seu país. Em 2017, quando o governo tentava aprovar uma reforma trabalhista, o papa disse: “Se não se protege adequadamente, o trabalho deixa de ser o meio pelo qual o homem se realiza e se converte em uma forma moderna de escravidão”. No ano passado, quando Macri mandou para o Congresso uma lei sobre o aborto, o papa veio com outra: “No século passado, todos estavam escandalizados pelo que faziam os nazistas para cuidar da pureza da raça. Hoje se defende fazer o mesmo, mas com luvas brancas”. No final do ano passado, Macri pensou em deportar migrantes que cometem crimes. “Que se ajude os que emigraram devido ao flagelo da pobreza e todo tipo de violência e perseguição, assim como a desastres naturais e transtornos climáticos, para facilitar as medidas que permitam a integração social nos países de recepção”, disse Francisco. O governo argentino vai comprar pistolas taser, não letais, para a polícia? Lá vem o papa: “É lamentável observar que o mercado de armas não parece sofrer contratempos”. Criticou também que há no mundo uma tendência generalizada para se armar, “tanto de parte dos indivíduos como de parte dos estados”.

Na Argentina e no Vaticano, 2019 será um ano eleitoral. Grabois será o homem do papa em Buenos Aires. Um Guilherme Boulos com água benta.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A igreja católica deixou de ser a “consciência” do povo há tempos. Perde-se nos escândalos de pedofilia, perde dia-a-dia fiéis. Perde-se no viés nitidamente esquerdista e principalmente na polarização que ocorre nos corredores do Vaticano, entre o progressismo do papa e o conservadorismo da cúria. Sou católico, mas vejo com muita desconfiança esse papado de Bergoglio, como aliás de toda igreja, que tem sido na política e nas coisas mundanas, sua ratio. Bergoglio, renuncie e recolha-se.

  2. Não confio muito no Papa Francisco de idéias bem esquerdistas, já venho de há muito analisando suas manifestações. Ele deveria se preocupar com a Igreja Católica, que vem perdendo adeptos .

  3. Quantos de vcs que criticam o papa leem o que ele escreve (homilias, discursos, documentos...)? Quanta insensatez: julgar o papa baseado naquilo que outros escrevem ou interpretam dele (como este artigo), sem nunca terem sequer buscado conhecê-lo por aquilo que ele escreve e fala de fato! “Com a mesma medida que medirdes, sereis medido” (Lc 6,38) E antes que alguém julgue novamente: não sou nenhum petista infiltrado!!!

  4. De acordo com sua biografia, é professor deTeoría del Estado en la Facultad de Derecho y Ciencias Sociales de la Universidad de Buenos Aires y de la Escuela Nacional de Organización Comunitaria y Economía Popular (ENOCEP)[1]​ de la Universidad Nacional de General San Martín. Bom, gostaria de saber quando tem tempo para dar aula???

  5. O Boulos brasileiro e o Boulos argentino, sao farinha do mesmo saco, ou seja, uma porcaria só. Deveriam estar os 2 presos. Francisco sempre foi vermelho e mundo todo sabe. O negocio é não dar bola para o que resmunga no lá nos confins do Judas.

  6. Papa Francisco, vai presidir o debacle da Igreja Católica Apostólica Romana. Perdendo milhões de fiéis por ano no mundo todo, está cada vez mais irrelevante ao apoiar incondicionalmente a esquerda que restou na América Latina e compactuando com todos os Cardeais envolvidos em crimes de pedofilia nos EUA, aonde a igreja está perdendo fiéis e processos milionários, enquanto ele não se manifesta a respeito ou emite platitudes. Se juntar aos Kirchner e a esse ativista de botequim e’ um epitáfio.

    1. Democracia é isto!! Temos que entender e aceitar o que quer que seja, com muito bom senso!! Historicamente Papa Francisco tenta defender as minorias do Capitalismo, o que não o torna um comunista, um centro esquerda, etc e tal!! Ele é extremamente preparado e não é homem de conchavos( não sou Católica), Não incorra no erro de julgá-lo! Ele é brilhante!!

    2. tinha dúvidas se o Papa gosta da esquerda.Agora, tenho certeza.

  7. É o anunciado papa negro por Nostradamus. De roupa negra jesuíta seria o derradeiro papa. Faz sentido! Orientação esquerdista traz descrédito e desmonte do catolicismo

  8. Chico argentino desde o tempo que jogava futebol de várzea sempre correu pela lateral esquerda do campo. Agora, jogando no Roma como capitão trata de desmontar o esquema vencedor de João Paulo ll.

  9. Argentina Peronista com Evita populista arrasaram a economia rica da lã e carne do pós guerra,com subsídios e sindicalismo pelego.Seguiu-se a Ditadura de militares oriundos de famílias patriarcais e castas de "nobreza"fajuta que invadiu as Malvinas.Os sindicatos para manter os privilégios adotaram a esquerda fanática de Che Guevara e Cuba.Terminaram com Ménen,Nestor e Cristina.Os três ladrões.Neste caldo prosperaram a I.Católica e Francesco,que se tornou papa.Era uma Suiça que se tornou Uganda.

    1. Como diz uma velha piada: "vai ter fé assim na pqp!".

  10. Eu confesso que me empolguei com ele no começo mas meu pai sempre muito perspicaz já me alertava, então veio aquela cena do papa recebendo uma cruz em forma de martelo e foice , o símbolo do comunismo. Pronto, estava declarado e selado a canalhice desse Papa.

  11. Sobre o Papa Francisco eu diria que até agora na história do Papado, somente três teve créditos para entrar no Céu: Leão XIII, João XXIII e este último, Papa Francisco.

  12. Se Grabois chegar mesmo a ser vice presidente da Argentina este país estará de parabéns. Esse cara parece ser tão promissor para a democracia como Boulos aqui no Brasil.

  13. Esse Papa Francisco é um homem medíocre, completamente ligado a Teologia da Libertação. Não recebeu Macri direiti, mas ficou 3 dias em Cuba!

    1. Esse Papa é mais do que necessário para um mundo melhor. A Teologia da Libertação é o verdadeiro Cristianismo.

    1. Resta-me rir; para não ter que chorar, profundamente.

  14. Brilhante matéria! Quanto ao papa, não me surpreendo. Ainda mais se se comparar com o período da pornocracia, o "seculum obscurum", séc X.

  15. Papas (e o que eles pensam, ou deixam de pensar) deveriam ser absolutamente irrelevantes. Exceto quando estivessem tratando da pedofilia na Igreja.

  16. Quem já leu O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota de Olavo de Carvalho sabe bem o que esse autor pensa e sabe e fala sobre esse papa. Para mim foi uma surpresa tomar conhecimento sobre Francisco. Vivendo e aprendendo, portanto, essa amizade com o Boulos argentino não me causou estranheza alguma.

  17. Esse Papa disse certa vez que seu maior medo é ser responsável por um cisma na Igreja. Entretanto, ao se unir com o lixo comunista, vai terminar fazendo os católicos conservadores e tradicionalistas pularem fora do navio vermelho do Vaticano que está sendo levado a pique por seu timoneiro.

    1. Eu estou, quase, pulando fora. Desde a campanha eleitoral a Igreja Católica se posicionou com um viés esquerdista, pelo menos, aqui no Nordeste.

  18. O papa Francisco desonra a memória de Joao Paulo II que lutou toda a sua vida contra o comunismo, e envergonha a igreja, com sua militancia e dileção por esquerdistas abortistas assassinos e bebês e narcotraficantes. Francisco é uma vergonha!

  19. O Papa que faz careta pra Trump e visita Maduro com ternura no olhar,que recebe pelegos petistas ateus(odeiam cristãos) mas não recebe a mulher de um preso político da Venezuela,acho q isso me basta.

    1. Também visitou Cuba, a abençoar a ditadura mais romântica do planeta.

  20. Lamentável que o Papa tenha tendências tão "vermelhas" nas questões políticas. Imaginava uma pessoa mais neutra, nesse quesito.

  21. É, realmente a esquerda age igual em todos os países. O mesmo mimimi, as mesmas mentiras, tudo igual, só muda o endereço.

  22. Tenho por esse Papa todo respeito Embora ele não julgue , e está correto Talvez devesse se preservar em certos assuntos .Porem devemos aceitar o fato de atender a todos e não julgar Precisa ser muito especial para ter essa atitude.

  23. Esse papa comunista não passa de uma piada de mau gosto. Não tem nada de papa, parece um militante esquerdista e chorão. Volta Bento XVI.

  24. Sou católico mas me entristece quando vejo aigreja católica apoiando o comunismo. Ficou escancarado quando o Papa recebeu um crucifixo do Evo Morales em forma de foice e martelo. E a mídia se calou.

    1. Aqui em Pernambuco existe um personagem folclórico chamado PAPANGU. Trata-se de um palhaço mascarado que fala fino, com gestos analisados e chama muito a atenção do povo. pra mim, esse papa ê um espécime desse palhaço. Nada mais que isso. Só ajuda a aumentar o descrédito da igreja pedófila e corrupta. sai fora, PAPANGU !!!

Mais notícias
Assine agora
TOPO