Foto: Reprodução/Redes SociaisFoto: Reprodução/Redes Sociais

Como Elon Musk pode ajudar o Brasil

20.05.22 16:11

O presidente Jair Bolsonaro usou o encontro com o bilionário Elon Musk (foto), no interior de São Paulo, nesta sexta, 20, para fins eleitoreiros. No evento, Bolsonaro disse que a Amazônia está sendo preservada e criticou “aqueles que difundem mentiras sobre a região“. Ele, assim, voltou a negar as evidências que mostram o aumento do desmatamento durante o seu mandato.

Mas, mesmo tendo sido sugado para a campanha eleitoral brasileira, Musk pode trazer boas novas para o país. Seu sistema de 2 mil satélites Starlink, que tem permitido aos ucranianos se comunicarem mesmo durante a guerra, poderá prover internet para 19 mil escolas rurais que hoje não estão conectadas.

O acesso à banda larga é um anseio antigo dos brasileiros. Um em cada cinco alunos matriculados nas redes municipais e estaduais de educação básica estão em escolas sem esse serviço, que é essencial para o ensino a distância. Na pandemia, apenas 59% das escolas públicas conseguiram fazer aulas pela internet.

Quanto à promessa de monitoramento ambiental da Amazônia, é preciso diferenciar algumas coisas. O serviço que poderá ser oferecido por Musk não inclui o acompanhamento por imagens de áreas desmatadas. Para esse fim, o Brasil já tem um dos sistemas mais avançados do mundo, que fica sob a responsabilidade do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Inpe, órgão que tem sido constantemente demonizado por Bolsonaro.

Os satélites da Starlink são de comunicação, eles não têm sensores óticos ou radares que conseguem enxergar o que se passa na superfície“, diz Tasso Azevedo, coordenador do MapBiomas, projeto que vigia o uso da terra no Brasil. “O problema atual não é o monitoramento. Isso a gente tem de monte. No MapBiomas, nós produzimos 1.500 relatórios por semana sobre desmatamento no Brasil. O que falta é ação governamental.”

Quando as estações de recepção da Starlink estiverem disponíveis, Musk poderá levar conexão veloz à internet a diversos povoados e tribos indígenas que hoje estão isolados na floresta. Eles então poderão se conectar com o resto mundo e enviar mensagens sobre o que acontece em suas regiões.

O acesso à internet é importantíssimo na Amazônia, seja para a educação, seja para as pessoas denunciarem o que acontece, como os atos de violência contra as populações indígenas isoladas ou contra o meio ambiente“, diz Márcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima. “Mas apenas receber informação não é suficiente. É preciso que o governo esteja disposto a resolver os problemas. O governo atual atua em menos de 1% dos alertas de desmatamento produzidos pelo Inpe. Nós não temos um problema de satélite. Temos um problema de presidente.”

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Assim que o sistema Starlink estiver implantado no amazonas, o Ellon Musk vai ver pelos seus próprios satélites os enormes desmatamentos em tempo real da Amazonia e vai ver também que 97% dos alertas de desmatamento são ignorados e vai fazer o maio barulho no Twitter, ai o mundo todo vai ficar em cima e algo real vai acontecer para dar um basta nessa ingerência da nossas florestas e fauna brasileiras. Ou seja o tiro vai sair pela culatra!

  2. Peeeeeerrrrfffeeeeiiiitooo!!! Lógico que as vertentes tecnológicas de excelência ajudam o nosso país a sair dos atoleiros. O problema é o conjunto das patas da politicalha interferindo para uso de seus interesses escusos e, a omissão no uso da extensão total do potencial desses recursos em benefício de quem os financia, ou seja, NÓS, os legítimos e únicos proprietários do erário.

    1. Naturalmente sem nos esquecermos do empenho e esforços particulares dos nossos talentosíssimos cientistas e dos eventuais incentivos financeiros da iniciativa privada, lógico. Porque se dependêssemos unicamente da estupidez """presidencial""" das 2 últimas décadas, ainda teríamos que inventar a roda.

  3. Deveria haver política de tolerância zero em relação a madeireiros e garimpeiros, que agem tais quais gafanhotos, deixando terra arrasada por onde passam! Seres nefastos!

  4. O IMPE não foi demonizado, apenas foi feita uma faxina geral na esquerdalha que parasitavam aquele órgão, só assim, em 2021 o Brasil pode lançar o satélite Amazônia-1, tecnologia 100% nacional e um dos mais avançados do mundo para monitorar a região amazônica.

  5. Estou repetindo. ! Não sei a razão. ? Será porque notícia boa é notícia ruim. ?? Para variar publique algo bom !! Será que não tem ?? Ou vcs são do PT. ?

Mais notícias
Assine agora
TOPO